As restrições e os eventos

Já algum tempo quero abordar esse assunto por aqui pois sinto que é algo que deve ser tratado com prioridade para o aprimoramento nos serviços de gastronomia para eventos, e ontem ao ler uma entrevista da Folha de São Paulo com a especialista em hospitalidade Lilian Scheidler a minha mente se abriu ainda mais para esse assunto (para ler a entrevista clique aqui).

Por conviver desde cedo com algumas restrições alimentares, sempre tive a preocupação em todos os eventos que realizei em ter no cardápio opções que atende-se a esses públicos, especialmente vegetarianos, porém mesmo assim por algumas vezes me deparei com pessoas que me procuraram durante o evento solicitando opções sem leite, queijo ou sem glúten e ai era aquele alvoroço para conseguir atender essas pessoas já com a mesa posta e tudo pronto.

Na entrevista Lilian Scheidler comenta que o serviço de um restaurante inicia-se logo na reserva, afinal de contas “é necessário saber  se há alguma restrição alimentar” infelizmente isso raramente ocorre no atendimento dos serviços de gastronomia para eventos, os profissionais não foram treinados para obter essa informação do cliente e isso acaba acarretando diversos problemas logo na degustação e que costuma se seguir até o dia do evento.

Foram diversas as vezes em que fui acompanhar clientes em degustações e que os mesmos tinham restrições alimentares e se esqueceram de informar, comprometendo um momento que deveria encantar. Em um episodio informei a cozinha sobre a alergia que a cliente tinha a cogumelos e por desatenção dos profissionais envolvidos serviram a ela um filé ao molho funghi, por sorte a cliente percebeu a tempo ou teríamos um situação que pode levar até a morte.

E para encerrar mais um caso que presenciei da falta de preparo, em um casamento que eu estava organizando a maioria dos convidados pertenciam a um religião com serias restrições alimentares e  a carne de porco e seus derivados é proibido. Ao repassar o cardápio com o maitre fui informada que a carne que seria servida foi recheada com linguiça calabresa, isso mesmo constando na ordem de serviço da cozinha que não deveria haver carne de porco, presunto ou derivados.

Isso sem contar quando estamos em um evento e os alimentos não possuem identificação do que é nem dos ingredientes e os profissionais de atendimento (garçons, maitres e etc) não sabem informar nada. Diferente do que ocorre na Inglaterra onde as empresas de alimentos e bebidas  são preparados para isso, informando em seus cardápios as opções vegetarianas (até nos doces, afinal os a base de gelatina possuem ingredientes de origem animal) e também induzindo os participantes de eventos a informar com relação as suas restrições alimentares (como na foto que fiz abaixo quando tive a oportunidade de conhecer uma empresa de eventos corporativos).

alergia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *